Portugal Portugal

"É preciso garantir que a sociedade em geral, todos os cidadãos, jovens, adultos e também os seniores, sejam digitalmente literados, sendo capazes de conviver com naturalidade com as necessidades de competências digitais que o mundo moderno demanda e exige.” António Murta – Digital Champion de Portugal – Digital Agenda/ Embaixador Nacional eSkills for jobs 2014.

To find out more about eSkills initiatives in your country, including information about jobs and training opportunities, please visit the national website:

http://eskills.fct.pt/


eSkills Manifesto PT

Key Figures

  PT EU27
ICT practitioner workforce 2012 as percent of total workforce 2,1% 3,43%
Forecast ICT practitioner jobs  2015 95,000* 7,503,000
Forecast ICT practitioner jobs  2020 95,000* 7,950,000
Vocational training graduates in Computer Science, 2011  284 67,000
  Score 2009/2010 Score 2011/2012 EU average
Individuals with high level of computer skills 27% 28% 28,52%
Individuals with high level of internet skills 8% 10% 13,67%
Individuals using the internet (last three months) 46% 55% 71,33%
Table 1& 2: Data to be taken from Empirica country reports: eskills-monitor2013.eu/results
(*)Dados a confirmar, baseados exclusivamente no estudo da Empirica; não confirmados por outras fontes.

National policy/ strategy related to eSkills

As políticas portuguesas apresentam estratégias que visam promover as competências em TIC no país: as competências e a literacia digitais são entendidas como ferramentas competitivas, necessárias para os indivíduos, empresas, bem como para o desenvolvimento do país. Como se afirma no programa do governo após a discussão do orçamento de 2013, a importância estratégica das TIC é apontada especialmente nas seguintes áreas: gestão da administração pública (melhoria dos instrumentos de gestão de recursos humanos e aquisições); política fiscal (comunicação entre cidadãos e controle dos agentes económicos); política de segurança e solidariedade social (inclusão de pessoas com necessidades especiais, mas também no que diz respeito às minorias e grupos com menos recursos económicos); política económica e de emprego (promoção do empreendedorismo e da inovação baseada em serviços e produtos baseados nas TIC; desenvolvimento das infraestruturas de comunicação). A política-chave do governo e as iniciativas sobre literacia digital e e-competências em Portugal são enquadradas pela Resolução do Conselho de Ministros 112/2012, sob a designação «Agenda Digital para Portugal".

Os principais objetivos desta agenda incluem:

  • (a) Desenvolvimento da infraestrutura de banda larga, a fim de permitir o acesso à banda larga, com velocidades de conexão igual ou superior a 30 Mbps, a todos os cidadãos até 2020;
  • (b) Simulação do desenvolvimento da rede de banda larga, de modo a permitir que, pelo menos, 50% dos agregados tenham acesso à banda larga com uma velocidade de ligação igual ou superior a 100 Mbps, em 2020;
  • (c) Aumento em 50% do número de empresas que utilizam e-commerce em Portugal (em comparação com níveis de 2011), até 2016;
  • (d) Promoção da utilização dos serviços públicos online, garantindo que eles são usados em pelo menos 50% da população até 2016;
  • (e) Aumento de 20% das exportações em Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) (em valores acumulados e em comparação com níveis de 2011), até 2016;
  • (f) Promoção do uso de novas tecnologias de modo a reduzir o número de pessoas que nunca usaram a internet em 2016 para, pelo menos, em 30%.

National initiatives related to eSkills

Portugal tem , desde há alguns anos, uma estratégia nacional para a Sociedade da Informação, para a promoção do acesso à banda larga e para o desenvolvimento de competências digitais. Os recentes esforços feitos pelas universidades podem resultar num aumento da oferta destas e-competências. As agendas digitais desenvolvidas pelo governo contribuíram para minimizar o "fosso digital" e melhorar as competências em TIC no país. A ampla gama de iniciativas desta natureza baseia-se no objetivo de atingir diferentes tipos de públicos e gerar maior e-readiness em toda a sociedade:

  • Rede TIC e Sociedade: combater a info-exclusão e a iliteracia digital www.ticsociedade.pt/redetic)
  • Programa Nacional: plano de ação (em curso), que visa aumentar a inclusão digital, e a literacia (aumentar o nível de competências digitais através da certificação e formação, premiando as melhores práticas para a inclusão e literacia digitais;
  • Co-Aliança Nacional para os Empregos Digitais (parcerias com várias partes interessadas que abordam temas como sejam as competências digitais, a empregabilidade, adequando os currículos académicos às necessidades do mercado de trabalho)
  • Eventos: Dia da Sociedade da Informação; Co-Aliança Nacional para os Empregos Digitais
  • Outros: Campanha Microsoft Vouchers; Projeto Trans-efacilitator (http://www.trans-efacilitator.eu/content/sections/index.cfm/secid.2)
  • Programa Estratégico para o Empreendedorismo e Inovação (+ e + i) e para Pequenas e Médias Empresas (PME) Programm - PME Digital, são parcerias multi-stakeholders de maior relevância para a promoção das competências digitais. Estes programas têm o objetivo de ajudar as micro, pequenas e médias empresas portuguesas a serem mais competitivas, utilizando ferramentas informáticas para aumentar o número de serviços on-line, visando melhorar a comunicação e a colaboração entre as empresas e entre as empresas e os seus clientes e fornecedores. O principal objetivo é melhorar a competitividade destas empresas através do aumento do número de empresas na economia digital, nomeadamente nos domínios do e-commerce e gestão da sua eficiência, nível de competências digitais, melhoria da produtividade e promover a empregabilidade de jovens.
  • Portugal também aplica os seus esforços na promoção das TIC na educação, na infraestrutura educacional e nos seus efeitos indiretos através de medidas como o e-government. Nos últimos anos, os investimentos no sistema educativo têm sido orientados para a obtenção de ganhos na sua performance, contribuindo para um investimento mais direcionado para os recursos humanos, favorecendo as áreas com maior potencial de crescimento. Além disso, a iniciativa criada há alguns anos denominada e-campus foi muito importante para um mais amplo acesso à Internet, pública e universal, abrangendo cidadãos com níveis baixos de escolaridade.
  • O Plano Tecnológico da Educação, lançado em 2007, que visa fomentar o desenvolvimento de competências digitais: (i) a modernização e qualificação das infraestruturas e serviços tecnológicos, principalmente nas escolas; e (ii) a distribuição de equipamentos (PC’s e laptops, quadros interativos, etc.) para alunos, professores e outros funcionários. Além de garantir a infraestrutura necessária para a integração das TIC nos processos de ensino e aprendizagem, o plano também compreendia o Programa Internet Segura. A iniciativa Internet Segura está em curso desde 2005 e compreende os seguintes objetivos estratégicos: i) combater conteúdos ilegais em linha; ii) minimizar os efeitos de conteúdos ilegais e lesivos nos cidadãos; iii) promoção da utilização segura da Internet; e iv) criar uma consciência clara sobre os riscos associados ao uso da internet.